terça-feira, 27 de dezembro de 2011

O Cálice do Altruísmo


... Lá estava Jesus, antes de ser crucificado, quando orou dizendo: "Pai meu, se este cálice não pode passar de mim sem eu o beber, faça-se a tua vontade."  (Mateus 26 : 42)

Imagine se Jesus neste momento tivesse pensado apenas em si mesmo, e eu afirmo que ele pensou em si, tanto é verdade que ele disse: "... Sem eu o beber..." porém a sua oração não terminou aí!
Jesus continuou  a orar e disse mais: "...faça-se a tua vontade.". 


Logo percebemos que embora ele tenha vislumbrado o seu próprio sofrimento; o que o levou a pedir livramento daquela cruz, ele não pensou apenas em si mesmo.
Ele pensou no Pai, e em sua vontade, ele pensou na humanidade.

Talvez se Jesus pensasse como muitos de nós ele argumentaria com o pai dizendo: " Mas eu sou o filho de Deus altíssimo, não vou me sujeitar a isso, ainda mais por gente que merece a morte, e mesmo pelos justos não vou morrer! O SENHOR que faça justiça por eles."


Mas Jesus foi obediente ao pai, e obediente até a morte como diz o texto : "E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz."  (Filipenses 2 : 8), e além desta Jesus deu outra lição nesta oração, uma lição de Altruísmo.


A lição de altruísmo dada por Jesus na cruz quase não é falada.


Quase sempre quando se fala em altruísmo, esconde-se alguma segunda intenção, algum retorno, alguma benção em recompensa, nem que seja um abatimento no imposto de renda. Quase não se fala mais fazer o bem apenas por amor ao próximo, fazer sem esperar retorno, até porque; os que precisam de nossa ajuda não podem dar nada em troca, e na verdade ... NEM PRECISAM DAR . Nós é que devemos aprender a dar com a mão direita escondendo a esquerda. "Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita;"  (Mateus 6 : 3)


A palavra esmola aqui não é o que deve tomar nossa atenção neste verso, e sim o princípio de Altruísmo por trás dele.

Jesus sabia que a vontade do pai era que ele substituísse o homem na cruz, qual ser humano a fora Cristo, não hesitaria diante desta tarefa?

Quem não pensaria: Perder minha vida para que outros não percam as suas?

Morrer por um monte de pecadores? Morrer por gente que merece a morte?


Ainda que não seja o caso de dar a vida, e que seja o caso de dar ou doar qualquer outro bem, ainda assim é preciso altruísmo para isso, e para tanto é preciso pensar no bem-estar do próximo, e não apenas no próprio.

Há maior exemplo de altruísmo do que o de Cristo ao morrer na cruz pela humanidade ?


Dou preferência a este fato, dadas as proporções e consequências inigualáveis que alcançou.

Jesus entre a morte e o egoísmo, preferiu a morte. Acontece que isso não é apenas para ser lembrado é para servir de exemplo prático para nós que nos julgamos seus seguidores, mas ao invés disso; muitas vezes temos uma grande dificuldade de sermos altruístas, principalmente se tivermos de fazer isto em favor de alguém que a nosso ver não mereça tal benefício.

Daí surge a pergunta: Você merece o que Jesus fez por você?

A bíblia diz: "Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores." (Romanos 5: 6- 8)

Diante disso todo egoísmo deve ceder ao altruísmo, nenhum ser humano merece o que Jesus fez por ele, isso nos ensina a fazer o bem pelo nosso próximo independentemente de seus  méritos, de religião, etnia, condição social, e etc.


A graça que muitos cristãos tem vivido não tem graça nenhuma, é uma gracinha que recebe mas não quer doar, uma graça fajuta gerada em meio aos princípios deturpados do "evangelho moderno", que ensinam os cristãos a fazerem por merecer, e biblicamente a única coisa que realmente fizemos por merecer foi a morte. Leia"Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;"  (Romanos 3 : 23)

E mais:  "Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor."  (Romanos 6 :23)


A vida eterna por exemplo, é um dom gratuito, trata-se de graça de Deus, e não de méritos humanos.


O que recebemos de Deus, recebemos por graça, mas quando temos de doar, muitas vezes cobramos um alto preço. não devemos ser avarentos e sim justos em todos os nossos procedimentos, ainda que estejamos em uma situação, onde a graça pareça não se aplicar, pois não há lugar ou situação onde a graça de Deus não aplique, afinal estamos debaixo da nova aliança, e não ponto geográfico, pessoa, situação ou obscuridade que não seja penetrada pela graça divina.


Não podemos esquecer que a mesma graça que nos alcançou, alcança também a outros, e que Deus usa pessoas para nos agraciar e também quer usar a nossa vida para manifestar a sua graça a outros. Isso é altruísmo.
Somos instrumentos para continuidade da manifestação da  graça de Deus. 


Deus é o ser mais altruísta que existe, que apesar de sua grandeza se importou com ínfimos seres como nós. Embora não tivesse a menor obrigação de fazê-lo, ele fez por amor. Um amor que não nos torne altruístas está longe de ser o amor de Deus, que é o amor que devemos praticar. 


"Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis."  (João 13 : 34)

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Carne ou Gordura ?



De maneira geral o que devemos dar ao SENHOR?  
A maior dificuldade que temos é dar o nosso melhor, o que é bom, mas é dispensável, ou podemos viver sem, isso nos dispomos a dar, não somente a Deus como também a qualquer pessoa. Dar o que vai nos fazer falta, vai fazer diferença para nós, é que é a questão.
Vejamos as ofertas de Caim e Abel, a bíblia diz que Abel ofereceu maior sacrifício do que Caim, muito se fala sobre isso, há quem diga que Abel dava a Deus o melhor e Caim dava o resto, não acredito nisto, a bíblia não diz isto, mas podemos entender melhor esta questão analisando o texto de I Samuel 2:12-17:

“Eram, porém, os filhos de Eli filhos de Belial; não conheciam ao SENHOR.Porquanto o costume daqueles sacerdotes com o povo era que, oferecendo alguém algum sacrifício, estando-se cozendo a carne, vinha o moço do sacerdote, com um garfo de três dentes em sua mão;E enfiava-o na caldeira, ou na panela, ou no caldeirão, ou na marmita; e tudo quanto o garfo tirava, o sacerdote tomava para si; assim faziam a todo o Israel que ia ali a Siló.Também antes de queimarem a gordura vinha o moço do sacerdote, e dizia ao homem que sacrificava: Dá essa carne para assar ao sacerdote; porque não receberá de ti carne cozida, mas crua. E, dizendo-lhe o homem: Queime-se primeiro a gordura de hoje, e depois toma para ti quanto desejar a tua alma, então ele lhe dizia: Não, agora a hás de dar, e, se não, por força a tomarei.Era, pois, muito grande o pecado destes moços perante o SENHOR, porquanto os homens desprezavam a oferta do SENHOR.”

                Fica claro aqui que a gordura deveria ser oferecida ao SENHOR, era o que Deus esperava, era o que ele desejava que fosse oferecido a ele, os sacerdotes poderiam ficar com a carne, mas estes sacerdotes queriam o que era do SENHOR.
                Tendo isso em vista podemos dizer que a oferta de Caim era boa! Ele oferecia como agricultor que era o seu melhor, a sua “carne” em comparação com o texto de I Samuel. Mas Abel oferecia a gordura (Gênesis 4:4), naquela época como nos dias de hoje; um bom pedaço de carne com uma gordurinha já era algo muito desejável. Mas Deus pedia exatamente a gordura, e Abel não a negava ao SENHOR. Enquanto que os filhos de Eli profanavam, o holocausto para roubar a gordura.
                Caim dava ao SENHOR, o que era bom, Abel dava o excelente, dava o que Deus pedia. Não adianta dar a Deus o que eu quero dar, mesmo sabendo que não é o que ele pede, não é o melhor, e esperar que ele receba de bom agrado.
                Deus nos permite ficar com a carne, mas a gordura; é dele, aliás, a carne normalmente está em maior quantidade do que a gordura, e ainda assim muitos querem ficar com a gordura do SENHOR, e às vezes ainda querem as duas coisas.
                O princípio por trás disto é simples, para Deus devemos abrir mão do melhor, nada menos do que isto.
                  As vezes damos a Deus o que queremos dar, e não o que ele quer receber, damos-lhe a carne quando ele pede a gordura. Abraão não argumentou com Deus se ele aceitaria receber seu filho Ismael; com Agar, ao invés de Isaque. Ele apenas obedeceu, ao contrário de muitos de nós que ao receber uma ordem de Deus questionamos, e por muitas vezes temos medo de dar o nosso melhor e ficar sem, pensamos primeiro no que vamos perder, quase nunca pensamos no que o reino de Deus irá ganhar.Sem dúvida com essa postura jamais viveremos o que o patriarca Abraão viveu.
                Vejamos ainda a história de Ana que desesperadamente pedia a Deus um filho, e Deus lhe deu, encerrando-se assim sua esterilidade, mas quando chegou o tempo de devolvê-lo a SENHOR no templo, ela não hesitou e o fez.
                A bíblia diz que Ana o devolveu ao SENHOR! O que era de Deus ela não tomou para si, devolveu ainda que isto lhe fosse muito doloroso, ela mesmo havia prometido que o faria então a partir daquele momento Samuel pertencia ao SENHOR. Aquele menino era a resposta as suas orações, o fim de sua esterilidade, sua honra como mulher, como esposa, podemos imaginar como foi doloroso para ela, ainda assim ela não o negou ao SENHOR.
                E por Ana ter dado ao SENHOR a oferta digna, ele a abençoou com mais cinco filhos! Só experimenta uma benção como esta quem tem coragem de negar o melhor a si mesmo, para não negar o melhor ao SENHOR.
                Porque não falar de Abraão? Deus lhe pediu exatamente o que ele tinha de melhor, o filho pelo qual ele tinha maior amor, e Abraão não o negou Isaque ao SENHOR, por isso voltou do holocausto com o filho e ainda se recebeu a benção de ser o pai de muitas nações. Aquele que antes pedia a Deus um filho, agora se tornava um grande patriarca.
                Sempre que damos a Deus o melhor, ele nos dá até o que não pedimos. Por isso o apóstolo Paulo vai dizer que Deus faz: "...tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera," (Efésios 3: 20)

            Não poderíamos deixar de falar da maior de todas as ofertas, a que foi oferecida por Deus, ele ofereceu ainda mais do que espera de nós, ele ofereceu a carne literalmente e também a “gordura”, pois ele ofereceu a Cristo em sacrifício na cruz, foi o maior de todos os sacrifícios, de todas as ofertas.
            “Por isso, entrando no mundo, diz: Sacrifício e oferta não quiseste, Mas corpo me preparaste; Holocaustos e oblações pelo pecado não te agradaram. Então disse: Eis aqui venho (No princípio do livro está escrito de mim), Para fazer, ó Deus, a tua vontade.Como acima diz: Sacrifício e oferta, e holocaustos e oblações pelo pecado não quiseste, nem te agradaram (os quais se oferecem segundo a lei).Então disse: Eis aqui venho, para fazer, ó Deus, a tua vontade. Tira o primeiro, para estabelecer o segundo.Na qual vontade temos sido santificados pela oblação do corpo de Jesus Cristo, feita uma vez.E assim todo o sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar os pecados;Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus. HEBREUS 10:4-12

            Deus não poupou a seu próprio filho para nos fazer o melhor, também nós não devemos dar a ele menos do que o melhor, e sem esperar nada em troca, pois não se trata de barganha e sim de gratidão, dar a Deus o melhor em gratidão ao que ele fez por nós, e é também uma questão de justiça, pois é justo darmos a ele o que temos de melhor, uma vez que ele fez e faz o melhor por nós, como disse o salmista Davi E disse o rei Davi a Ornã: Não, antes, pelo seu valor, a quero comprar; porque não tomarei o que é teu, para o SENHOR, para que não ofereça holocausto sem custo." (I Crônicas 21: 24)”. Custe o que custar devemos dar a Deus o melhor.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Cara e Coroa – A Bondade e a Justiça de Deus

                                                                         


A bondade é uma das características divinas das quais o ser humano mais abusa!
 Muitas pessoas acreditam que não importa o que elas façam de errado; a bondade de Deus irá ser aplicada e tudo ficará bem; como se nada tivesse acontecido.
Muitos chegam a pensar que todo ser humano no fim da vida, irão “para o céu”, serão salvos, alguns dizem que Deus é tão bom que não permitirá que ninguém vá para o inferno, e por isso pecam deliberadamente, outros vivem de uma maneira promíscua, e arrogantemente afirmam que se Deus realmente é Deus, e é bom, então irá perdoar e salvá-las. SIM, ele perdoa mas não livra o homem da conseqüência de seu erro, e isso é justiça, ele não” passa a mão na cabeça” de ninguém, o perdão de Deus é sincero mas não é cego para que justiça não seja feita.

Davi quem o diga Deus lhe perdoou pelo adultério com Bate-Seba, mas não permitiu que a criança crescesse
“Porque, pois, desprezaste a palavra do SENHOR, fazendo o mal diante de seus olhos? A Urias, o heteu, feriste à espada, e a sua mulher tomaste por tua mulher; e a ele mataste com a espada dos filhos de Amom. Agora, pois, não se apartará a espada jamais da tua casa, porquanto me desprezaste, e tomaste a mulher de Urias, o heteu, para ser tua mulher.
Assim diz o SENHOR: Eis que suscitarei da tua própria casa o mal sobre ti, e tomarei tuas mulheres perante os teus olhos, e as darei a teu próximo, o qual se deitará com tuas mulheres perante este sol. Porque tu o fizeste em oculto, mas eu farei este negócio perante todo o Israel e perante o sol. Então disse Davi a Natã: Pequei contra o SENHOR. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás.Todavia, porquanto com este feito deste lugar sobremaneira a que os inimigos do SENHOR blasfemem também o filho que te nasceu certamente morrerá. (I Reis 1:9-14)

Há pessoas que falam da bondade de Deus mesmo sem conhecê-lo, não temem a Deus, nem sabem que devem temê-lo, vivem uma vida totalmente desagradável a Deus, da maneira como bem (ou mal) entendem, e pensam que no fim das contas Deus terá de fazer algo bom por elas, como que para provar sua bondade.  LEDO ENGANO!      
                                     
Eu chamo esta situação de “cara e coroa”, há dois lados em uma moeda, e eu diria que a bondade de Deus é um lado de uma moeda, portanto do outro lado eu acredito que está a JUSTIÇA! "Porque o SENHOR é justo, e ama a justiça; o seu rosto olha para os retos." (Salmos 11: 7) .
Essas são características do caráter de Deus, e uma equilibra a outra, não há excessos de bondade ou de justiça, há um perfeito equilíbrio entre todos os traços do caráter divino. A bondade e a justiça divina caminham juntas.
 A bíblia fala muito sobre a bondade de Deus, e também fala sobre a sua justiça, e em alguns versos fala de ambas. A bondade e a justiça de Deus estão intimamente ligadas.

 "Ele ama a justiça e o juízo; a terra está cheia da bondade do SENHOR." (Salmos 33: 5)
"Estende a tua benignidade sobre os que te conhecem, e a tua justiça sobre os retos de coração." (Salmos 36: 10)
"Bom e reto é o SENHOR; por isso ensinará o caminho aos pecadores." (Salmos 25: 8)

Muitos acreditam que por estarmos na nova aliança Deus não pune mais o ser humano por seus erros e pecados, chegam a pensar que; por mais que peque Jesus já pagou pelos pecados deles, portanto saíram ilesos sempre. Tolice! Se Deus não castiga na nova aliança, então como se explica a morte de Ananias e safira após mentirem sobre o dízimo?
(...) Não mentiste aos homens, mas a Deus. E Ananias, ouvindo estas palavras, caiu e expirou. (Atos 5:4b-5a)

Há quem pense que se fizerem muitas caridades vida a fora, serão salvos, mas a bíblia deixe claro que obra nenhuma salvará nenhum ser humano. O engraçado é que aqueles que discordam dessa verdade querem que suas obras tenham um grande valor diante de Deus, inclusive a ponto de merecerem a salvação por causa delas, mas não dão o mesmo valor a obra de Cristo na cruz; não aceitam que somente por seu sacrifício é que somos salvos, e insistem em obras meritórias, querendo assim se valerem de sua própria justiça.
“Não bebo, não fumo, não cheiro, é claro que Deus há de ser bom comigo”. Outros dizem: “Se fulano não fez o bem, o mal não fez também”
A bondade e justiça do ser humano em nada aproveitarão para sua salvação, e a bondade de Deus não o impedirá de ser justo salvando então somente os que forem justificados mediante a fé em Cristo Jesus, como ele mesmo determinou nas sagradas escrituras. Deus não desprezaria o valor do sacrifício de seu próprio filho Jesus, para aceitar sacrifícios humanos infinitamente inferiores.

"Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida." (Romanos 5:18)

"Sabendo que o homem não é justificado pelas obras da lei, mas pela fé em Jesus Cristo, temos também crido em Jesus Cristo, para sermos justificados pela fé em Cristo, e não pelas obras da lei; porquanto pelas obras da lei nenhuma carne será justificada." (Gálatas 2: 16)

Deus é justo, e a justiça que lhe agrada é aquela que condiz com seu caráter, ele não pensa apenas em si mesmo, ele pensa em nós, e por isso faz justiça por nós. A injustiça humana será punida com o rigor da justiça de Deus.
"O SENHOR faz justiça e juízo a todos os oprimidos." (Salmos 103: 6)

"Ele espalhou, deu aos necessitados; a sua justiça permanece para sempre, e a sua força se exaltará em glória." (Salmos 112: 9)

Não podemos ignorar este lado da moeda: A Justiça. Ela é tão importante para Deus que João chega a fazer a seguinte afirmação: "Nisto são manifestos os filhos de Deus, e os filhos do diabo. Qualquer que não pratica a justiça, e não ama a seu irmão, não é de Deus." (I João 3: 10) e ainda diz mais
"Filhinhos, ninguém vos engane. Quem pratica justiça é justo, assim como ele é justo." (I João 3: 7).

A justiça é um traço do caráter divino, é desejo dele que sejamos justo como ele é. E se somos filhos é justo que obedeçamos ao Pai, ou será justo que sejamos disciplinados por ele.
Não devemos abusar da bondade de Deus, seja em palavras em atitudes, ou em pensamentos, porque por mais que ele nos ame ele não tolera o erro. Ele ama e por isso mesmo castiga, porque ele também ama a justiça. "Ele ama a justiça e o juízo; a terra está cheia da bondade do SENHOR." (Salmos 33: 5)
Portanto a bondade de Deus não o impede de ser justo, e sua justiça não o impede de ser bom.

Convergência Reinista 2018