quinta-feira, 28 de abril de 2011

Para toda justificativa do homem Deus tem uma saída

      
       Você costuma para tudo ter uma justificativa? Repare que sempre temos uma justificativa quando somos cobrados, quando as coisas não saem conforme o planejado, principalmente quando somos a vítima, e às vezes usamos as circunstâncias para nos fazermos de vítimas.
Vejamos o que a Bíblia nos mostra sobre isso:

1.     Sara justificou-se com sua já avançada idade, e Deus ainda assim lhe concedeu Isaque.
Gênesis 18.13-14 Disse o SENHOR a Abraão: Por que se riu Sara, dizendo: Será verdade que darei ainda à luz, sendo velha? Acaso, para o SENHOR há coisa demasiadamente difícil? Daqui a um ano, neste mesmo tempo, voltarei a ti, e Sara terá um filho.

2.     Jeremias justificou-se dizendo que “não sabia falar” Deus então lhe mandou falar, pois ele mesmo colocaria palavras em seus lábios.
Jeremias 1.6-8 Então, lhe disse eu: ah! SENHOR Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança. Mas o SENHOR me disse: Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás. Não temas diante deles, porque eu sou contigo para te livrar, diz o SENHOR.

3.     Neemias tinha o desejo de reerguer os muros de Jerusalém, mas não tinha os recursos, então Deus usou o rei para lhe conceder todos os recursos necessários.
Neemias. 2.7-8 E ainda disse ao rei: Se ao rei parece bem, dêem-se-me cartas para os governadores dalém do Eufrates, para que me permitam passar e entrar em Judá, como também carta para Asafe, guarda das matas do rei, para que me dê madeira para as vigas das portas da cidadela do templo, para os muros da cidade e para a casa em que deverei alojar-me. E o rei mas deu, porque a boa mão do meu Deus era comigo.

Às vezes o homem apresenta para Deus justificativas mentirosas, e outras vezes verdadeiras. Davi era bem menor do que Golias, e não tinha nenhuma habilidade em guerra, estas justificativas eram verdadeiras, entretanto ele não ficou preso a elas. Muitos fazem de suas justificativas verdadeiras, a razão de não avançarem, multiplicam a força de suas limitações, muitas vezes o homem usa as suas fraquezas e características pessoais, para justificarem seus braços cruzados, sua preguiça, sua falta de êxito em qualquer aspecto de sua vida, e se conformam com isso, alguns chegam a pensar que nasceram mesmo para sofrer e que foi Deus quem determinou assim.

I Samuel 17.33  Porém Saul disse a Davi: Contra o filisteu não poderás ir para pelejar com ele; pois tu és ainda moço, e ele, guerreiro desde a sua mocidade.
Davi acreditou que Deus lhe daria a saída, mesmo com suas características inferiores as de Golias, e Deus lhe deu, Davi não se fez de vítima das circunstancias ou do destino, ele acreditou em Deus em não nas impossibilidades.

Deus mostra a saída nem que seja no último instante, mesmo diante da morte, Lázaro estava morto havia quatro dias, mesmo assim Jesus o ressuscitou.
João 11.41-44   Tiraram, então, a pedra. E Jesus, levantando os olhos para o céu, disse: Pai, graças te dou porque me ouviste. Aliás, eu sabia que sempre me ouves, mas assim falei por causa da multidão presente, para que creiam que tu me enviaste. E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro vem para fora! Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: Desatai-o e deixai-o ir.

Abraão não tinha cordeiro para sacrificar, Deus então fez com que surgisse um cordeiro do nada.
Gênesis 22.13   Tendo Abraão erguido os olhos, viu atrás de si um carneiro preso pelos chifres entre os arbustos; tomou Abraão o carneiro e o ofereceu em holocausto, em lugar de seu filho
O homem não tem a menor condição de justificar a si mesmo! A raça humana merecia a morte por seus pecados, mas Deus teve uma saída para isso também, não há nada que deixe Deus em uma situação difícil. Deus enviou Jesus, o cordeiro, Jesus, simbolizado no cordeiro que foi dado a Abraão; para redimir a criação, para que o homem fosse perdoado por Deus, e tivesse vida. A cruz de Cristo foi a “saída” para toda a humanidade.

Pegue suas justificativas por mais verdadeiras que sejam, e pregue-as na cruz.Ele as cravou lá, (Cl 2:14) deixe-as lá.

Foi por causa dessas justificativas verdadeiras e até pelas falsas que Jesus morreu, não torne o sacrifício de Cristo vão na sua vida, não fique aprisionado em justificativas, como se elas fossem um obstáculo para Deus, veja estas justificativas como cicatrizes, marcas da sua condição humana, mas saiba que as feridas já foram curadas, e com o tempo até as cicatrizes desaparecem.

Quando Cristo ressuscitou, ela já não tinha nenhuma cicatriz de sua crucificação, apenas as cicatrizes causadas pelos pregos, que ele mesmo quis manter para que o homem se lembre do que ele fez.
Quanto as suas cicatrizes, só preserve a lembrança da cruz em você, nenhuma outra.
Não se justifique para Deus, sinta-se justificado nele.
Para toda justificativa do homem Deus tem uma saída... A Cruz!

Pr. Edmilson P. Fernandes

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Quais são os Direitos de Deus ?

-->
Num rápido apanhado do livro de Jó percebemos algo que muitas vezes na vida nós também fazemos BARGANHAR COM DEUS! Basta percebermos que as coisas não vão bem que começamos a nos lembrar e a lembrar a Deus nossas boas ações, nosso bom caráter, e como somos cristãos exemplares.
Após Jó se queixar de seu sofrimento, Deus fala com ele, em meio a tantas lamúrias, Deus com sua grande misericórdia se fazer ouvir por Jó, que apresentou para Deus todo o seu gabarito, suas virtudes, e que na verdade já eram conhecidas por Ele.
Deus não provou a Jó porque era um servo mal, pelo contrário, Deus mostrou a satanás como Jó era um homem reto, integro temente a Deus e que se desviava do mal (Jó1:1-12). Entretanto se Deus o provou sabia que ainda havia coisas que Jó só aprenderia por meio do sofrimento. Existem lições que não aprenderemos se não for por meio do sofrimento, inclusive a não barganhar com Deus.
Durante o sofrimento Jó falava como se Deus não tivesse direito de permitir que ele sofresse. Jó passou a achar que Deus tinha que levar em consideração suas boas obras antes de tomar qualquer atitude em relação a ele. Uma coisa é não aceitar o que satanás está fazendo, outra coisa é não aceitar o que Deus está fazendo, e neste caso se Deus quiser pode até mesmo usar satanás como instrumento de sua vontade. Quem disse que Deus só usa cristão?
Deus não está obrigado a ninguém por causa de nada, Ele não se torna nosso devedor pelo fato de termos trabalhado a vida toda pelo seu reino, não podemos servi-lo esperando algo em troca, ou deixar isso guardado como uma “carta na manga” aguardando um momento mais crítico para usá-la.
Quando cobramos algo a Deus por causa do que já fizemos por ele, pela igreja, pelo próximo, entre outros argumentos, mostramos que fizemos com a motivação errada, com a intenção de na primeira oportunidade lançarmos em sua face como somos bons servos, isso reprova qualquer boa obra que qualquer pessoa tenha feito.
O fato de sermos bons cristãos não nos dá o direito de acusar de Deus injusto, de imperfeito, que é o que fazemos quando consideramos que Ele errou em nos provar, nos tirando um ente querido, nos tirando o emprego, ou permitindo um problema de saúde. Nossa conduta cristã deve ser um prazer, e não uma moeda a ser usada para comprar bênçãos em uma espécie de “armazém celestial”.
Se alguém não recebe a benção tão esperada já começa a duvidar se está valendo a pena crer em Deus, servir a Deus, entregar o dízimo, ofertar, fazer votos, e doar ofertas alçadas. Há quem troque de igreja como quem troca de roupa, tentando encontrar o que? Outro Deus? Outra palavra? Uma que esconda a verdade, mas acaricie o ego?
Jó se achou no direito de contender com Deus (Jó 7:1-21), e muitos hoje em dia acreditam que podem colocar Deus contra a parede, só porque passaram todo o mês sem pecar.
A verdade é que quanto mais somos provados, mais precisamos ser, porque as provações nos aperfeiçoam, e para não nos tornarmos arrogantes; na pretensão da perfeição, precisamos tão logo ser novamente provados, haja vista que Jó reunia boas qualidades, mas, nem por isso Deus deixou de prová-lo.
Depois de ouvir todo o queixume de Jó, Deus toma a palavra e mostra a Jó quem é que realmente pode dizer que fez, e aconteceu. Diante de todas as grandes obras relatadas por Deus (Jó 39:1-30) Jó se vê insignificante, e percebe que todo seu gabarito apresentado para Deus, não era nada.
Jó reconhecendo-se indigno (Jó 40:1-2) arrepende-se de suas palavras, de sua barganha, e põe-se no seu lugar, antes ele tivesse ficado calado. Jó chegou a dizer: " Deus me deu e ele mesmo tomou". É ele tem o direito !
Não podemos anular o juízo de Deus, nem com barganhas, nem com lágrimas, nem com reclamações, o que Ele decide é o que se fará mesmo contra nossa vontade. Nessas horas o que devemos fazer é aprender a confiar em Deus no sofrimento, e não apenas confiar para que ele não chegue o sofrimento, pois este muitas vezes nos impede de ouvir a voz de Deus, e isso porque focamos o sofrimento em si, mas se focarmos o porquê ouviremos a voz de Deus a nos ensinar alguma nova lição, a fim de que sejamos melhores a cada dia para o louvor de sua glória.
Pr. Edmilson P. Fernandes

Convergência Reinista 2018