domingo, 29 de setembro de 2013

Evangelho Marginal


Por que marginal ? Não tem a ver com criminalidade. E sim com estar às margens.

"Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo;"  (Colossenses 2 : 8)

Atualmente é evidente a maneira como o muitas vezes o evangelho é pregado, "pelas beiradas", sem profundidade, aponta-se para os benefícios resultantes do evangelho, mas nem sempre o evangelho pregado aponta para Cristo.

Muitas pessoas são convencidas através do que o apóstolo Paulo chama de filosofias e vãs sutilezas, a se concentrarem nos lucros, nas bençãos, nos milagres, por conseguinte elas ouvem falar do evangelho, mas não são direcionadas para o centro dele que é Cristo, são direcionadas para o que Cristo pode fazer.
Estas pessoas acabam por viver um evangelho marginal, as margens do evangelho e não no centro que é Cristo.

 É fato que muitos pregadores do evangelho se fazem valer de suas conquistas pessoais para mostrarem as pessoas como vale a pena ser cristão, eles focam o que recebem, levando as pessoas a entenderem que também precisam ter o que mostrar para provar que o evangelho tem surtido efeito em suas vidas, isso só faz gerar desejo pelo ter, mas não transforma as pessoas, elas vivem uma espiritualidade superficial, vivem uma vida cristã "segundo a tradição dos homens,  segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo".

Uma pessoa vítima do evangelho marginal tem como foco as outras que como elas também foram vitimadas, mas que tem algo para mostrar, que as leve a dizer algo do tipo: " conquistei isso ao me tornar cristão". Não é que o evangelho não vá nos levar a conquistas, sim! ele vai, mas isto não é alvo do evangelho, é só consequência, Cristo é o foco.

Qualquer coisa que seja chamada de evangelho e que não aponte Cristo como o centro, é um Evangelho Marginal, e este ao invés de nos aproximar de Cristo, nos afasta dele.

O evangelho marginal aprisiona as pessoas na superfície, faz com que elas busquem se completar nos bens que pedem a Deus, quando a bíblia diz:  "...Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade; e estais perfeitos nele..". ( Colossense 2: 9- 10a ) Porque me concentrar nas apenas nas bençãos que posso receber, quando posso ser aperfeiçoado nele, em Cristo!?

Esse desvio de foco que o evangelho marginal provoca, é a maior perda que uma pessoa pode ter, é a condenação de viver distante da plenitude de Cristo.

É necessário muito cuidado para não sermos cativados pelas vãs sutilezas, pregadas por muitos, e que dizem exatamente o que queremos ouvir, mas que nos afastarão do alvo, da profundidade do evangelho que nos leva a Cristo.

Por quanto tempo um ser vivo consegue sobreviver às margens do oceano, e que tipo de vida e terá ali? Quanto tempo uma pessoa conseguirá sobreviver às margens do evangelho  que tipo de vida cristão ela terá assim? 

Às margens do evangelho é onde as pessoas têm as maiores frustrações, elas acabam por abandonar a vida cristão por acharem que não valeu a pena, quando na verdade nunca se aprofundaram para realmente descobrirem o que viver com Cristo, ficam encalhadas na superfície.
  
Portanto se você perceber que o motivo que o leva ao evangelho é unicamente a dádivas a receber, ajuste o seu foco, mergulhe mais fundo, ninguém é aperfeiçoado em si mesmo, e nem nos bens materiais, ninguém pode ser completado nas bençãos que recebe, mas o que nos completa é ".. Cristo em nós a esperança da glória" ( Colossense 1:27 ).

Algumas pessoas se contentam em ancorar na praia, ou seja começam uma vida cristã, e mesmo antes de alcançarem a profundidade, deixam de buscá-la, se deixam convencer pelas filosofias e vãs sutilezas, e permanecem onde estão.

Deixe a água da vida te arrastar para o alto mar, se entregue a Cristo sem reservas, só assim se pode conhecer a Cristo.

Pr. Edmilson Na Contramão







sábado, 14 de setembro de 2013

Culto de Sexta-feira 13/09




Nesta sexta-feira 13/09 na #IgrejaREINA de vilar dos Teles, não teve nenhuma corrente, nenhuma campanha mirabolante, nem rê-té-té, mas aprendemos que...

... Todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, ( Romanos 8:28 ) porém quanto mais amamos as coisas mais as perdemos.

As pessoas as vezes procuram a Deus para conseguir obter as coisas que precisam ou julgam precisar, o problema não é pedir a Deus que conceda tais coisas, o problema é amar as coisas e não a Deus.
Quando amamos a Deus ele mesmo se encarrega de fazer toda as coisas contribuírem conosco, mas quando amamos as coisas elas nos escravizam, nos achamos dono delas enquanto elas se tornam donas de nós.
E quando as coisas não saem à nossa maneira temos a tendência de achar que Deus falhou conosco, temos dificuldade de perceber que o que estávamos pedindo não estava nos planos de Deus para nós, nossos propósitos as vezes nos afastam dos propósitos de Deus. Insistimos com Deus para nos dar o que queremos e quando não é dado ainda nos sentimos frustrados. Devemos ter cuidado, discernimento para perceber que quando Deus não está fazendo o que pedimos é porque não seria benção para nossa vida, sendo assim fomos livres de uma maldição.
Não podemos nos apegar tanto as coisas pois elas podem se tornar as muralhas que irão impedir nosso avanço servindo como barreiras ao nosso redor, como um peso dificultando a caminhada.

Os propósitos de Deus para nós são sempre melhores, mas quando nos prendemos as coisas, quando fazemos questão delas, não tomamos o cuidado de verificar se estão na vontade de Deus para nós, e quando não estão vale a pena abrir mão da nossa vontade e abraçar a vontade de Deus. Há coisas que são erradas não pelo fato de serem contra o bons princípios, e sim por estarem fora da vontade de Deus, e nos apegarmos a elas são atraso de vida para nós, precisamos abrir mão delas.
Mas também podemos concluir que o apego demasiado as coisas certas também podem ser ruim, por isso pediu a Abraão seu filho Isaque em sacrifício, era uma prova de fogo para que ficasse claro quem era o alvo do amor de Abraão; Deus ou o menino Isaque. O amor a Deus precisa estar acima de qualquer benção, coisa ou pessoa.
Perdemos muito mais quando nos apegamos demais as coisas erradas ou certas, do que quando abrimos mão delas.
Deus nos concede as coisas, mas devemos usá-las conforme o propósito para qual Deus no-las concedeu. Lembrando que coisas podem ser usadas, pessoas não! Elas devem tratadas com amor.

 E aprendemos ainda que apesar da dificuldade de abrirmos mão das coisas para termos perdas, perdemos muito mais, não quando doamos e sim quando negamos. 
Se tivermos de negar, neguemos o amor as coisas e doemos amor as pessoas.

Pr. Edmilson Fernandes

Convergência Reinista 2018